Archive | Ponto de Escuta Psicologica RSS feed for this section

VISITA DO CONSELHO DA ASSISTENCIA SOCIAL NA ASSOBECATY PODE RESULTAR EM CONVENIO

4 Apr

No dia (29) quarta – feira, Assobecaty- Associação Beneficente Cultural Africana Templo de Yemanjá, situada no município de Guaíba deu um passo importante, recebeu a visita do Conselho de Assistência Social, que  foram averiguar  uma série de critérios, que poderam definir a possibilidade repasse de recurso. Na ocasião foi apresentado além da estrutura fisica, também foi demonstrado os trabalhos sociais desenvolvido pela entidade com grupos excluídos, crianças e adolescentes em situação de risco, prevenção HIV AIds,mulheres negras em situação de violência, entre outros. Ao firmar a parceria a entidade poderá receber apoio que garantirão sustentação as iniciativas e tornar o atendimento social eficiente, justo e equilibrado. P3250009

Essa é a entrada principal da Assobecaty, uma ampla área coberta que serve de sala de espera.

P3250008

Na entrada da porta de entrada da setor  que abriga o trabalho social, na mesa contém a gravação,  Ministério das Comunicações e  Programa de Inclusão digital. Nela também, estão exposto os  três veiculos de comunicação impressos que são elaborados dentro da  entidade que são eles: Revista Rede Cultura na Rua, Revista Conexão Comunitária e o Jornal Conexão Afro. Além dos 43 blogs, e o pedido de uma concessão de rádio Comunitária, todos,  fazem da Assobecaty  referência de Comunicação no Brasil.

P3250005

Essa sala é onde esta as caixas e mesas dos equipamentos para a instalação do telecentro, esta sendo aguardado a antena.

P3250006

Na seguência temos a sala de grupo operativo, trabalho em grupoterapia, roda de conversa e reuniões. As terapias é sempre em grupo, porque não dá tempo de fazer nada individualmente. O acompanhamento social, apenas uma vez por semana.

P3250007

Esta  sala do Projeto Ponto de Escuta Psicológica, nela acontecem

os atendimentos individuais de pacientes, que estão correndo grande risco ou  muito deprimidos 

A psicologia  se mantém  presente de forma voluntárias, desde o ano de 2007

P3250002

Assobecaty, não é diferente das inúmeras entidades que fazem muito, com tão pouco dinheiro, fazem uma ginástica para manter as ações

P3250001

O grande desafio tem sido  o trabalho com a juventude

P3250004Esta porta é a  linha divisória entre as ações sociais do espaço sagrado da AssobecatyP3250011

O terreiro tradicional  tem  78 anos de existência e 24 de conotação juridica com trabalho comprovadamente voltado para a comunidade do bairro Jardim Santa Rita- Guaiba. Apesar disso. Assobecaty  não recebe um centavo do poder público municipal, estadual  ou federal. A necessidade de buscar parceria, apoio ou convênio  é a  instalação do telecentro, que é uma questão de dias,  a idéia é que, após a inauguração,  vai resultar no acréscimo de despesas, principalmente com energia elétrica.

Com um recurso tão escasso, o trabalho que depende da boa vontade de doadores eventuais, assim , como o  valioso empenho dos voluntáriados, além dos atores  culturais,  que compõe a Rede Cultura na Rua, fatores que  nem sempre podem ter a dedicação necessária para dar conta dos projetos que são desenvolvidos em prol da comunidade do entorno.

 

Relatório de Atividades da Psicologia na ASSOBECATY

6 Nov

Desde 2007 a ASSOBECATY, instituição não governamental conta com o serviço de Psicologia, dentre as suas atividades. Inicialmente contava com as Psicólogas Ana Clara Espíndola e Rogéria Ferrari, que coloboraram com o início das atividades do Ponto de Escuta-criado na Escola Estadual Ruy Coelho Gonçalves, espaço e parceria de trabalho criado para atender as demandas dessa escola-vizinha no bairro Santa Rita-Cohab, em Guaíba/RS. Neste mesmo ano fui convidada pela atual presidenta da instituição Carmen Lucia de Oliveira, colega de curso de graduação, que conheci no estágio de Psicologia Clínica na Secretaria Municipal da Saúde de Barra do Ribeiro/RS.
Neste primeiro ano, fiquei mais no apoio à equipe da Psicologia, participava das reuniões e seminários, colaborei na elaboração de alguns projetos sociais que tentamos aprovar em nome da entidade (UNESCO,PETROBRÁS,etc.), tinha atendimento alguns pacientes adultos. Após, no ano de 2008, a Psicóloga Ana Clara se afastou e posteriormente também a Psicóloga Rogéria teve seu afastamento. No meio de 2008, a fim de renovar os laços de parceria com a Escola Ruy Coelho, propus uma avaliação dos níveis de estresse em trabalhadores da educação, que avaliou em sua maioria professores desta escola, atividade que ao final deste ano fora apresentada os índices e resultados aos participantes. Em 2008, também recebi alguns pacientes adultos e crianças do bairro, que se mantiveram basicamente durante o ano letivo escolar, com exceção de um paciente adulto que ficara dois anos contínuos até 2009.
No ano de 2010, tivemos outras atividades por parte da Psicologia: seleção para os jovens monitores do Programa Telecentros BR em Comunidades Tradicionais de Terreiros, programa que ainda está em fase de implantação pelo Governo Federal. Também neste ano, foi realizado na Escola Ruy Coelho, uma atividade com alunos do terceiro ano do ensino médio, com o objetivo de orientação vocacional, onde os interessados que se dispuseram a participar já receberam a devolução dos resultados nos próprios dias de atividade na escola, proporcionando assim um possível direcionamento esclarecido para as futuras carreiras profissionais almejadas. Também neste ano a Psicologia contribuiu com dinâmicas realizadas durante a Roda de Conversa Sobre Religião e Aids, realizada em dezembro de 2010 na ASSOBECATY.
No ano atual (2011), firmamos parceria em 20 de maio de 2011 com a Escola Estadual Aglae Kehl, onde nossa atividade inicial foi com professores, supervisores, orientadores escolares e diretores, na qual fizemos uma intervenção voltada para a questão do olhar com o cuidado e cuidador, visto que o trabalhador em educação se põe no lugar de cuidador, quando recebe alunos em pelo menos um turno e neste exerce o papel de zelo, de cuidado por esses sujeitos(alunos). Recebemos durante o curso deste ano, demandas com alunos das três escolas estaduais do bairro, além dessas escolas parceiras, como o CIEP (Carmen Alice Lavieguerre).
Também no ano de 2011, está em fase de implantação e execução, o microprojeto com recursos do Mais Cultura-Minc e Pronasci-Território da Paz, sobre prevenção à drogas idealizado pela Psicologia, denominado originalmente como a Produção Cultural da Droga Contada em Crônicas, que visa promover um concurso de escrita de crônicas sobre o tema das drogas, bem como estimular a reflexão sobre o tema através dessa pequena provocação.
Além disso, participamos  na medida que nosso tempo permite, de outras atividades de cunho comunitário e social como participação em reuniões com Prefeitura Municipal- Assistência Social e Associações e Templos religiosos sobre as atividades desenvolvidas para a prevenção à drogas, vinculadas às iniciativas em prol da Segurança Pública, como foi a promovida pelo I COMSEG e I Conferência Municipal de Saúde Mental- ambas realizadas em 2010. Nessas atividades, também inclui-se a participação como observadora em reuniões e seminários sobre a Religião de Matriz Africana, geralmente com frequência quinzenal ou mensal.
Cabe também registrar como atividades de que a Psicologia participa de forma interna na instituição, os constantes curso de formação realizados desde 2009: Fé na Prevenção-Curso sobre prevenção à drogas para lideranças religiosas(SENAD/PRONASCI/UNIFESP), Curso de Prevenção à Drogas para Lideranças Comunitárias e Conselheiros Tutelares(SENAD/PRONASCI/UFSC), Curso de Gestão em Riscos e Desastres- Contribuições da Psicologia(UFSC) e Tranversalização do HIV/Aids (Gapa-BA e Brut Für Die e Rede América Latina), bem como a participação de cursos de extensão na Escola de Saúde Pública do RS- Seminários de Formação em Saúde da População Negra.
De todas as atividades citadas anteriormente, essa é a parcela de contribuição da Psicologia com a instituição.
                                                       Débora Lúcia de Souza e Silva
                                                         Psicóloga-CRP/RS 07/15877

MARCO INICIAL DAS ATIVIDADES DE PARCERIA DA PSICOLOGIA ASSOBECATY COM A ESCOLA ESTADUAL AGLAE KEHL UM OLHAR PARA O CUIDADO COM TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO

2 Jul

Com o objetivo de firmarmos uma parceria entre o Departamento de Psicologia da  ASSOBECATY com a ESCOLA ESTADUAL AGLAE KEHL, situada no Bairro COHAB em Guaíba/RS, realizou  uma atividade no dia 20.05.2011, onde buscou-se primeiramente conhecer o quadro de professores da escola, trabalhadores em educação, que também estão na condição de cuidadores ao desempenharem suas atividades funcionais em colégios e tendo em vista que a base de seu trabalho é focada nos alunos (pessoas que necessitam de cuidados).Imagem0150
Esta atividade inaugural visou sensibilizar os professores, através de uma pequena reflexão para a questão do cuidado, uma vez que o ambiente escolar é muitas vezes a extensão dos lares do seu corpo discente, os alunos, sendo também o palco de repetição de muitos conflitos ocorridos no seio familiar, onde a escola por vezes é o refúgio para a fuga de um cenário repleto de violência, negligência e tantas outras violações de direitos humanos.
Procuramos abordar também o tema trabalho, por estarmos no mês de maio, que compreende duas datas alusivas ao tema trabalho correspondendo aos dias 1º e 13 de maio, datas que deveriam servir à reflexão, assim apontadas por alguns professores durante a realização da atividade, sendo a primeira um marco ao Dia do Trabalhador e a segunda respectivamente por fazer alusão ao trabalho escravo, à libertação, conceito e ação discutível até nossos dias atuais.
Desse modo, procurando pensar a questão do trabalho e o cuidado, encontramos na literatura de saúde a expressão “cuidado” para referir-se às relações centrais dos projetos no modo de ser dos humanos, com os modos de compreender a si e ao seu mundo e com seus modos de agir e interagir. Assim, entendemos que o trabalho é um dos diferentes modos de subjetivação do ser humano, envolve seu projeto de vida, muitas vezes o projeto de felicidade, por dar sentido a sua existência como ser social, dando um sentido além de um caráter simplista de utilitarismo ou ser produtivo a serviço apenas da produção de um capital material, sem o provimento de um sentido para este trabalho.
Imagem0153Finalmente, de tudo que discorremos teoricamente, pudemos constatar na prática vivencial desta atividade proposta que para o grupo, a equipe de professores desta instituição de ensino, o trabalho e o cuidado com o ser humano envolve diferentes significados e sentimentos. Essa proposta de trabalho é uma construção conjunta entre profissionais educadores e profissionais de saúde e áreas afins da ASSOBECATY, que teve início nesta data (20.05.2011), mas não tem data prevista para seu término, visto que é um processo construtivo, onde as demandas grupais de cada encontro delinearam o foco de nosso trabalho.
Débora Lúcia de Souza e Silva
Psicóloga – CRP/RS 07/15877 
ASSOBECATY-Guaíba/RS

Ver mais

ASSOBECATY  http://pontodeescutaassobecaty.blogspot.com